Genocídio, etnocídio e ecocídio

Genocídio, etnocídio e ecocídio

19.06.2020

Interditar a entrada na União Europeia de produtos associados à desflorestação da Amazónia e responsabilizar as empresas por práticas predadoras foram soluções apontadas por Isabel Santos ao intervir na sessão plenária de Bruxelas. “É necessário que com urgência se interdite a entrada de produtos associados à desflorestação nas nossas cadeias de abastecimento e responsabilizar as empresas europeias por práticas predadoras” disse a deputada.

Em 2019, a Amazónia perdeu o equivalente à área de dois mil campos de futebol, tendo sido desmatados mais de 1500 quilómetros quadrados de floresta. Isabel Santos considerou “criminosa” a acção de Jair Bolsonaro, recordando que “genocídio, etnocídio e ecocídio” foram palavras que escutou de vários líderes indígenas ao descreverem o que se passa naquele território.

“Os ataques contra ambientalistas e indígenas e os homicídios tem aumentado de forma assustadora, estimulados pelo sentimento de total impunidade e aproveitando a menor atenção gerada pela pandemia”, afirmou.