Programa para a saúde deve ser mais ambicioso

Programa para a saúde deve ser mais ambicioso

02.06.2020

Sara Cerdas pediu esclarecimentos ao programa da Comissão EU4Health, anunciado pela Comissária Europeia Stella Kyriakides, durante a reunião da Comissão de Saúde, Segurança Alimentar e Ambiente (ENVI) no Parlamento Europeu.

A deputada é uma das vozes dissonantes às medidas que compõem o programa. Apesar de considerar o programa “o mais ambicioso de sempre”, Sara Cerdas entende que “está muito focado na crise do COVID-19, direcionado à prevenção de doenças e não tanto à promoção da saúde”.

A presidente do Grupo de Trabalho em Saúde no Parlamento Europeu questionou a Comissária sobre a definição de uma crise de saúde pública. “Obesidade, diabetes, inatividade física e o combate à resistência aos antimicrobianos, são consideradas crises em saúde? Estes constituem importantes fatores de risco para a maior parte das doenças na União Europeia”, disse.

Considerando que o Programa apresentado deverá estar alinhado com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), observou que está em “falta a prevenção primordial e primária, pois esses tipos de prevenção estão ligados a maiores ganhos em saúde”. A deputada questionou por isso se “é realista o objetivo de reduzir em um terço as mortes prematuras na União Europeia, causadas por doenças não transmissíveis, até 2030, sem um programa completo e assente na saúde em todas as políticas”.

Através do novo programa, Next Generation EU, a Comissão Europeia propõe investir 9,4 mil milhões de euros num programa específico para a saúde, o EU4Health, focado no reforço dos sistemas de saúde, no combate às ameaças transfronteiriças e em tornar os medicamentos acessíveis em toda a União Europeia. Comparado com a proposta anterior da Comissão, estima-se um aumento no envelope de 2.000%.