Uma app que devia ser europeia

Uma app que devia ser europeia

22.05.2020

Cada país está a desenvolver as suas apps para facilitar o desconfinamento, o turismo, a liberdade de circulação de pessoas dentro da União Europeia e ajudar a convivência social “e por isso é indispensável que elas sejam interoperáveis quando uma app europeia dispensaria esses problemas técnicos, mas nenhuma está a ser desenvolvida”, afirma Maria Manuel Leitão Marques num artigo de opinião publicado no Observador.

Durante a discussão sobre o tema, o Comissário Didier Reynders, responsável pela justiça e a defesa dos consumidores, referiu que “teria sido melhor desenvolver uma única app europeia, mas que isso atrasaria muito o processo. É aqui que cresce a minha inquietação, para não dizer desilusão”, comenta a deputada.

“Como é que numa questão desta natureza, com esta urgência e a que se atribui esta importância não há meios, um procedimento expedito, que permitam à Comissão Europeia atuar rapidamente”, questiona-se.

“Num mundo onde tudo anda a uma velocidade estonteante, com crise ou sem ela, é preocupante esta incapacidade de reação. Devemos pensar sobre ela, sobre o que falta e o que é preciso mudar para que possa existir, sob o risco da inoperância das instituições europeias se voltar a repetir quando mais precisamos delas”, sustenta.