02 de abril de 2021
 

O relatório sobre a adesão da Albânia foi aprovado pelo Parlamento Europeu. Depois de muitos meses de reuniões, uma visita ao país, encontros virtuais com diferentes membros da sociedade civil, autoridades e atores políticos e longas negociações com os grupos políticos, conseguimos chegar a um texto final muito positivo que reconhece os progressos feitos pelo país no processo de adesão e que recebeu uma votação muito expressiva, Os 581 votos a favor e apenas 61 contra, mostram o apoio que o país tem no Parlamento Europeu e são um sinal de que todas as reformas feitas pela Albânia devem continuar.

Isabel Santos

Twitter Facebook

A Comissão Europeia requereu ao Tribunal de Justiça da UE que se pronuncie sobre a lei recentemente adotada pela Polónia que corrói a independência do sistema judicial. A diligência era inevitável. Mas a Comissão deve ser consequente e acionar o mecanismo aprovado pelo PE que condiciona o acesso aos fundos europeus ao respeito pelo Estado de Direito, em vigor desde janeiro. Essa medida impõe-se no caso da Polónia como no caso da Hungria. Mas aqui a Comissão tem procrastinado, com prejuízo da sua credibilidade e, por extensão, da própria UE.

Manuel Pizarro

Twitter Facebook

A resolução sobre a Política de Coesão e Estratégias Ambientais Regionais na luta contra as alterações climáticas contou com o papel fundamental dos Socialistas e Democratas (S&D). Com a sua aprovação, o Parlamento Europeu definiu os objetivos para a Política de Coesão no que se refere ao apoio à descarbonização, apoiando ao mesmo tempo uma transição socialmente justa e contribuindo com 30% do orçamento para projetos como o apoio ao desfasamento da utilização de combustíveis fósseis. A Política de Coesão é essencial para a luta contra as alterações climáticas.

Isabel Estrada Carvalhais

Twitter Facebook

Um abraço a Moçambique

Há violência, fome, sede, milhares de deslocados e refugiados no norte de Moçambique. Há mortos. Muitos. Os sistemáticos ataques terroristas atribuídos a ramos do denominado Estado Islâmico estão a criar o caos na província de Cabo Delgado. Mas certamente que esta situação não é independente do facto de tratar de uma zona muito rica em recursos naturais, nomeadamente as enormes reservas de gás natural.

A situação exige medidas urgentes. Portugal disponibilizou ajuda imediata, tendo as autoridades moçambicanas aceitado o envio de 60 militares com a missão de darem formação às tropas moçambicanas. A comunidade internacional propõe um quadro de luta contra o terrorismo que envolva os países da região. É preciso agora implementá-lo. As populações não podem esperar por medidas que demorem meses ou anos. A sua vida depende disso.

Pedro Marques

Twitter Facebook

"Em regra, nós não subsistimos limitando-nos a conservar, nós subsistimos se efetivamente apostarmos na inovação."

António Costa, Primeiro-ministro

 

Como disse o Primeiro-ministro na cerimónia do Prémio IN3+, é essencial apostarmos na inovação. Isto é verdade em tempos normais e ainda mais importante em tempos de crise. Para que isto aconteça, o Plano de Recuperação e Resiliência privilegia as parceiras entre cientistas e empresas. A Imprensa Nacional–Casa da Moeda dá o exemplo com o Prémio IN3+ distribuindo 1 milhão de euros a investigadores das entidades que integram a sua Rede de Inovação.

Maria Manuel Leitão Marques

Twitter Facebook

A tragédia agrava-se na província de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, causada por ataques de extrema violência por bandos armados com ligações ao Estado Islâmico. Milhares de mortos, 700 mil refugiados, mulheres e crianças vítimas das maiores atrocidades, eis o drama de que nos fala esta foto. Já é tempo de a comunidade internacional prestar a Moçambique a solidariedade humanitária e militar de que precisa. E é bom saber que o Governo de Portugal está disponível para fazer a sua parte e se prepara para corresponder ao pedido feito pelas autoridades moçambicanas enviando um contingente de 60 militares para apoiar a formação de tropas especiais.

Pedro Silva Pereira

Twitter Facebook

As crianças representam 18,2 % da população europeia. Na Europa 22% estão em risco de pobreza, o que se agravará no contexto da pandemia. O Parlamento Europeu assegurou financiamento para a Garantia para a Infância através do Fundo Social Europeu e do Fundo de Recuperação mas este tem de ser ancorado numa estratégia de combate à pobreza. Esperamos agora que seja concretizada a recomendação da Comissão Europeia, para que os Estados-membros apresentem nos próximos 6 meses planos de ação que garantam que as crianças carenciadas tenham acesso gratuito a serviços essenciais. A meta do PE é clara; menos 5 milhões de crianças em situação de pobreza até 2030.

Margarida Marques

Twitter Facebook

Gente Feliz com Lágrimas, João de Melo, Leya

Conta a história de Nuno Miguel, um açoriano que foi viver para o continente para ingressar num seminário. Descreve uma infância dura e fria, a história de uma família que, como a maioria dos açorianos na época, aguarda desesperadamente por uma carta de chamada para poderem rumar ao Canadá. Espelha a constante procura pela felicidade e uma visão fascinante de Portugal na época da ditadura do Estado Novo.

Sara Cerdas
 

Twitter Facebook

Se não conseguir visualizar correctamente este email clique aqui

Para mais informações consulte a página dos Socialistas Portugueses no Parlamento Europeu: http://www.pseuropa.pt/web/
Para remover o seu email desta mailling list por favor clique aqui