Vacinar o mundo “é o maior desafio com que nos confrontamos”

Vacinar o mundo “é o maior desafio com que nos confrontamos”

24.11.2021

Vacinar o mundo “é o melhor caminho para reduzir o impacto sanitário, económico e social da pandemia”, afirmou Carlos Zorrinho ao intervir no debate parlamentar de Estrasburgo.

Num “caminho com constrangimentos”, como referiu, o deputado não deixou de evidenciar que “muitos países não acedem às vacinas porque não têm recursos para as comprar”, e que em África “apenas menos de 10% da população se encontra vacinada”.

“Por todo o mundo, populistas usam as vacinas para fraturarem as sociedades e consolidarem o seu poder à custa do sofrimento dos povos”, referiu Carlos Zorrinho, para quem “milhões de pessoas estão contaminadas por teorias obscuras e recusam vacinar-se”.

Na opinião de Carlos Zorrinho, “na União Europeia temos de ser fiéis aos nossos valores e ambiciosos neste processo”, prosseguindo duas vias. Por um lado, “promovendo e disseminando pelo mundo o conhecimento científico e a capacidade tecnológica para produzir e aplicar a vacinação”, e por outro, “combatendo a especulação, regulando a produção e a distribuição das vacinas de forma a assegurar que elas sejam bens públicos, acessíveis a todos, sem estrangular o sistema de investigação e de inovação que permitiu respostas de qualidade em tempo recorde”.

“Não é um desafio fácil”, mas “é talvez o maior desafio com que nos confrontamos. Temos de ser capazes de o vencer.”